Tempo estimado: 17:37 min (3521 palavras, 21158 caracteres)

A sociedade utiliza a inovação tecnológica diariamente para executar tarefas com maior praticidade e melhor performance. O uso intensivo desse tipo de solução nos autoriza a afirmar que definitivamente entramos na era digital. Esse progresso também se faz presente, como era de se esperar, no setor esportivo. A gestão ou administração esportiva é responsável pelo controle, organização e direção racional e sistemática de atividades esportivas e físicas em geral. Nesse âmbito, é de compreensão recente que a gerência de dados esportivos é estratégia fulcral para a administração do esporte, consubstanciando-se em um Sistema de Gestão Esportiva.

Por conseguinte, a tecnologia da informação assume espaço de protagonista na otimização dos processos que integram a Gestão Esportiva. Esse status é ainda mais evidente no que tange aos aspectos de proteção e valorização do capital intelectual, que oferece informação relevante para a tomada de decisão. Decorre desse quadro a necessidade de uma plataforma que gerencie as informações de maneira rápida e segura. Assim nasce o sistema de gestão esportiva, espaço dedicado a potencializar os processos inerentes à gestão do esporte. Mas antes de abordarmos a forma de gerenciamento de uma ferramenta que trará otimização e automação desses processos, precisamos entender alguns aspectos mercadológicos relacionados à tecnologia de informação e análise de dados.

Sistema de Gestão Esportiva e Big Data

Quando pensamos na utilização de um sistema de gestão esportiva, logo vem à mente a necessidade de controlar os dados que serão inseridos, num volume expressivo e sempre crescente. Gerenciar essa base de informações extensa pode se tornar uma tarefa complexa e árdua. Surge então o conceito do Big Data. Mas o que é Big Data? Qual é o seu impacto na gestão do esporte?

Sistema de Gestão Esportiva e Big Data

Em síntese, Big Data é a área do conhecimento que estuda como tratar, analisar e obter informações pertencentes a um universo constituído por um grande volume delas. O termo abrange o manejo de dados estruturados e não estruturados, mas não só: é determinante saber cruzar essas informações de forma a obter insights relevantes e colher subsídios fundamentais para que se tome decisões acertadas. Como resultado, abre-se um vastíssimo leque de possibilidades no momento em que se analisam tendências ou comportamentos futuros baseados em informação. É, portanto, crucial que esse conceito, na era digital, seja amplamente conhecido e aplicado.

O conceito de Big Data oferece uma abordagem consistente do tratamento dos dados e considera uma série de fatores fundamentais para a sua aplicação, conhecidos como os 5 v’s do Big Data.

Volume

O conceito de volume no Big Data se torna mais compreensível quando observamos os dados gerados em nosso cotidiano, ou seja: as informações básicas de número de praticantes, atletas, torcedores, resultados de competições, históricos de atletas, etc. Essas informações se acumulam, ganham profundidade e geram um volume cada vez maior. Para se ter uma ideia, é possível identificar informações dos praticantes como idade, região que habitam, e-mail, telefone, hábitos de consumo. Assim sendo, um recorte mais profundo nesse último item torna visível o quanto ele gasta, qual tipo de produto consome, em qual época do ano. A cada estratificação realizada, eleva-se a quantidade de informações. Dessa forma, o volume é sempre crescente.

Velocidade

Informação muda o tempo todo e em velocidade muito alta. Um exemplo? Suponha que você seja um pivô de handebol e veja um goleiro defendendo um tiro de sete metros. Logo depois, você sofre uma falta e tem a oportunidade de bater o mesmo tiro. Seria inteligente usar a informação coletada instantes atrás, referente ao lado que ele defendeu ou a direção em que esticou o braço para decidir o direcionamento do seu arremesso? Provavelmente não, pois as informações mudaram. Talvez sua bola seja mais rápida do que a do batedor anterior. A envergadura dele talvez seja menor do que a sua. Resumindo: a tomada de decisão é influenciada por um volume de informações que cresce em velocidade absurda. Consequentemente, a velocidade de obtenção e processamento de informação é um diferencial.

Variedade

O volume de informações agrega outro aspecto à análise de dados. Quanto maiores o volume e a estratificação das informações, maior a variedade de dados coletados. Assim sendo, seria irrelevante obter grande volume de uma única informação se for impossível variá-la. Quanto mais vasto e distinto é o dado coletado, maior a capacidade de analisar e cruzar informações para obter indícios relevantes ao processo de tomada de decisão. Ou seja: é preciso organizar os dados coletados para que eles facilitem nossa compreensão. Por isso, os dados são classificados em três tipos no que concerne à variedade:

  • Estruturados: Dados armazenados em um banco de dados, sequenciados em tabelas.
  • Semi Estruturados: Dados que detém padrões heterogêneos, entretanto, são mais difíceis de serem identificados.
  • Não Estruturados: Dados de fontes diversificadas e com diferentes padrões.

Veracidade

Para que todo o volume e variedade de dados coletados em uma velocidade considerável tenham alguma validade no processo de tomada de decisão, é necessário que sejam confiáveis. Para qualquer gestor, tomar decisão com base em informação errada é sinônimo de fracasso. Ou seja: para colher bons frutos do conceito de Big Data, é necessário que toda coleta de dados seja verídica, de acordo com a realidade em que está inserida. Assim sendo, o conceito de velocidade, já descrito, é bem alinhado ao conceito de veracidade pela necessidade constante de análise em tempo real. Ou seja, dados que condizem com a realidade daquele momento, pois dados de um lapso de tempo anterior não podem ser considerados verídicos. Por isso, a verificação dos dados coletados para adequação e relevância ao propósito da análise é determinante para agregar valor ao processo.

Valor

Quanto mais precioso é o dado, mais claro o caminho a seguir no processo de tomada de decisão. Ou seja, um dado de valor servirá como base de orientação ao seu negócio, sobretudo na compreensão de custo envolvido no projeto e tempo a ser demandado. Por isso, é importante entender que o dado tem um valor alto na gestão, pois significa economia de tempo e recursos no desenvolvimento de projetos.

Assim sendo, compreendemos a necessidade de entender a relação dos dados antes de entrarmos no universo de um sistema de gestão esportiva. O crescimento exponencial do volume de informações gerado no esporte é uma realidade. Por isso, ignorar os dados disponíveis é um erro que pode decretar o fracasso de um negócio. Afinal, com a ajuda deles é possível prever tendências e mudanças no mercado de atuação, no nosso caso, a indústria do esporte. Os dados alinhados à tecnologia já estão sendo os precursores no incremento da performance e rendimento dos atletas. A título de curiosidade, o BIG no nome da Bigmidia diz respeito à área de conhecimento e aplicação do Big Data no esporte, constituindo-se em um dos pilares da empresa.

Sistema de Gestão Esportiva e o Business Inteligence

Outro assunto recorrente quando tratamos de tecnologia da informação e análise de dados é o conceito de Inteligência de Negócios (Business Intelligence ou simplesmente BI). Em síntese, o BI refere-se ao processo de coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoramento de informações que oferecem suporte à gestão de negócios. Ou seja, é um conjunto de técnicas e ferramentas que contribui para a transformação de dados brutos em informações significativas e úteis para a análise de um negócio, auxiliando no processo de tomada de decisão. O objetivo do BI é permitir uma fácil interpretação do grande volume de dados, conceito abordado anteriormente neste artigo pelo Big Data. Mas como podemos incluir o Business Intelligence em um sistema de gestão esportiva?

Sistema de Gestão Esportiva e Business Intelligence

Se, conceitualmente, o BI é a ferramenta que vai nos ajudar a tomar a melhor decisão, certamente possui alta aplicabilidade no esporte. A todo momento, entidades de administração esportiva estão envolvidas em processo de planejamento e tomada de decisão. Em qual modalidade investir mais recursos? Qual região do país é mais carente de capacitação de arbitragem? Qual é o universo de atletas juniores a ser observado para identificar talentos visando ao ciclo olímpico seguinte? Podemos encontrar as melhores respostas para essas questões complexas caso sejamos capazes de juntar os dados coletados e de analisá-los segundo os princípios de Inteligência de Negócio. Mas como aplicar tudo isso ao esporte?

Business Intelligence no Esporte

No esporte de alto rendimento, um detalhe faz muita diferença. Assim sendo, é preciso primeiro identificá-lo e em seguida criar estratégias. Com o Big Data, conseguimos coletar e processar muitos dados, mas precisamos também transformá-los em informações relevantes aos tomadores de decisões. Ou seja, precisamos apresentar as informações geradas de forma clara e objetiva. Um caso claro de sucesso do BI aplicado ao esporte foi a seleção alemã de futebol na Copa do mundo de 2014.

Utilizando a análise de dados através do sistema de gestão esportiva chamado Match Insights da SAP, desenvolvido em parceria com a Deutscher Fussbal-Bund, a Federação Alemã de Futebol, os profissionais da seleção puderam obter informações precisas acerca do comportamento dos seus jogadores e dos componentes das equipes adversárias. Com a ajuda de vídeos dos jogos, o técnico Joachim Low e os próprios atletas sabiam como seus oponentes costumavam agir em determinadas situações. Assim sendo, a identificação dos pontos fracos dos adversários tornou-se mais fácil. Isso ficou evidente no fatídico 7×1: a ineficiência dos zagueiros brasileiros, incapazes de cobrir a sua área, foi revelada em detalhes.

Business Intelligence na NFL

Outro case impressionante de aplicabilidade do Business Intelligence ao esporte é a Plataforma NFL Next Gen Stats. A liga americana de futebol americano (NFL), em parceria com uma empresa de logística, desenvolveu um software capaz de rastrear os atletas em tempo real no campo. Assim sendo, tornou-se possível monitorar a movimentação deles, velocidade de corrida, áreas do campo onde mais atuaram, etc. A bola contém um chip que informa se um passe foi completado, em qual região do campo ocorreu, distância do passe. Todo esse aparato registra uma quantidade de informações com alto grau de variedade, prontas para serem cruzadas com outras. O manancial de dados que a tecnologia oferece aos técnicos mensura a performance dos atletas e funciona como base para um trabalho propício para otimizá-la. Mas como anda o BI no esporte brasileiro?

Business Intelligence no Esporte Brasileiro

Um dos maiores cases de sucesso de BI aplicado ao esporte foi desenvolvido pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). Em parceria com a Bigmidia, a CBDA desenvolveu um trabalho de inteligência para comparar e estratificar informações importantes de gestão e possibilitar a comparação de performance dos atletas. Uma parte das informações geradas pelos relatórios é muito importante para nutrir a comunidade esportiva. Abordemos como exemplo a página pública de um atleta de natação. Para facilitar, vamos pegar um atleta renomado e conhecido mundialmente, Cesar Cielo. A página pode ser acessada CLICANDO AQUI.

Perfil César Cielo no Sistema de Gestão Esportiva da CBDA
Perfil do atleta César Cielo no site da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos.

Tomando este relatório como base, podemos ver a quantidade e variedade de informações que encontramos sobre o atleta. Nome completo, data de nascimento, conquistas, resumo esportivo com quantidade de participações em competições, medalhas, melhores marcas, etc. Mais abaixo, na aba desempenho, temos o tempo de cada prova dele e a sua evolução, comparada aos recordes mundiais, brasileiros e sul-americanos. Assim sendo, esse relatório, tomado isoladamente, já é um indicativo eloquente de evolução do atleta. Entretanto, suponhamos que eu seja o treinador da atleta Joanna Maranhão e queira me aprofundar ainda mais na colheita de informações. Quero analisar a sua performance em parciais na prova de 400 metros Medley nos 5 eventos mais recentes de que ela tenha participado. Essa é uma estratificação profunda, mas o BI torna possível essa análise. Observe o relatório.

Joanna Maranhão 400m Medley no Sistema de Gestão Esportiva da CBDA
Performance das últimas 5 provas da atleta Joanna Maranhão em relatório público de Business Intelligence da CBDA.

Sistema de Gestão Esportiva – O Start!

Afinal, porque decidimos abordar os conceitos mercadológicos de Big Data e Business Intelligence antes de falar de fato sobre sistema de gestão esportiva? Devido a um simples motivo: só é possível aplicar esses conceitos de forma a incrementar a performance caso você disponha de um sistema capaz de gerenciar esses dados. Por conseguinte, é primordial que esteja contemplada a utilização de algum sistema de gestão esportiva no planejamento estratégico da sua entidade. Ou seja, uma plataforma que proporcione o acompanhamento, automatização e otimização dos processos gerenciais inerentes ao esporte.

A humanidade evolui em uma velocidade assustadora na era digital, e o esporte acompanha este processo. As políticas voltadas à promoção da saúde induzem constantemente as pessoas a buscar alguma modalidade esportiva para praticar. Ao desempenhar o papel fundamental de fomentar o esporte, as entidades de administração esportiva precisam criar suas próprias políticas para atrair praticantes. Quando parte desse universo progredir para a prática mais avançada, as federações e confederações passam a ter registro desses atletas. Nesse momento detectamos o espectro do primeiro fantasma da gestão. Com a crescente demanda, como gerenciar milhares de praticantes e atletas de uma modalidade? Como ter todos os dados de cada um e acessá-los de forma rápida, prática, sem demandar demasiados recursos humanos e financeiros para administrar essa base de informações?

Gestão de Atletas

Esse é o primeiro motivo que conduz a um sistema de gestão esportiva. Com essa retaguarda, torna-se possível administrar todos os praticantes de uma modalidade esportiva em um único local. Acessam-se informações individualizadas de forma prática e rápida, englobando o conceito de velocidade no Big Data. Mantendo uma base de dados sempre atualizada, com informações diversificadas de cada atleta, você pode utilizar os conceitos de BI para tomar decisões gerenciais cada vez mais assertivas.

Você consegue dimensionar as quantidades de atletas ordenadas por faixa etária e definir estratégias para atrair novos praticantes. De posse dessa informação, você pode definir ações específicas. Todas essas informações, das básicas às altamente complexas, estarão armazenadas em uma base de dados única (estruturados), de fácil acesso.

Gestão Financeira

Ao mesmo tempo em que a gestão de atletas é um importante aspecto administrativo, controlar as finanças se torna uma tarefa complexa quando o volume é alto. Imagine o trabalho que dá conferir pagamento por pagamento, de atleta por atleta? Por isso se faz necessária a utilização de um sistema de gestão esportiva que contemple um ERP para gerenciamento das finanças.

Igualmente importante é a integração automática com o atleta. Ou seja, toda vez que um pagamento for vinculado ao praticante, um processo inteiramente online informa ao gestor em tempo real a compensação do pagamento, registrada no histórico financeiro daquela pessoa. Dessa forma, o gestor possui uma administração mais clara das suas finanças, facilitando tanto o recebimento quanto o pagamento.

Gestão de Competições

Qual gestor esportivo já não dedicou horas do seu trabalho à montagem de tabelas de jogos? Ou conferindo se atletas foram escalados corretamente para uma partida? Ou se eles foram inscritos dentro do prazo? Sabemos que esse é um trabalho que demanda tempo e acarreta estresse. A solução é um sistema de gestão esportiva capaz de validar automaticamente todos esses processos burocráticos. Assim o gestor ganha tempo para se dedicar a outras questões, como o fomento e desenvolvimento do esporte.

Portal Institucional

Uma das maiores dificuldades das entidades de administração do desporto é manter uma comunicação eficaz com a sua comunidade esportiva. Ter um sistema integrado com o site da entidade aproxima os players da comunidade e dá transparência aos processos. Cadastrar notícias de forma simples é fundamental para abastecer a comunidade e a imprensa esportiva com informações relevantes.

10 motivos para utilizar um Sistema de Gestão Esportiva

Se você deseja sempre obter a melhor performance gerencial no esporte, é fundamental utilizar um sistema de gestão esportiva. Como já citado neste artigo, estamos na era digital, que se encontra em constante evolução. É preciso ter auxílio para aplicar os conceitos mercadológicos de Big Data e Business Intelligence. Uma plataforma capaz de facilitar a coleta e o processamento dos dados para obtenção de informação relevante é fundamental para desenvolver o planejamento estratégico e fundamentar o processo de tomada de decisão da sua entidade. Por esse motivo, elencamos os dez principais motivos para você investir o seu tempo na utilização de um sistema de gestão esportiva.

  1. Gestão Completa de Atletas;
  2. Ranqueamento de Atletas para Critérios de Bolsa Atleta;
  3. Controle de Transferência de Atletas (BID);
  4. Gerenciamento de Clubes com Multi Usuários e Níveis de Hierarquia;
  5. Administração de Árbitros e Escalação para Eventos;
  6. Gestão de Competições com Escalações por Partidas e Resultados em Tempo Real no Site da Entidade;
  7. Sistema Financeiro para Recebimento de Mensalidades e Anuidades com Pagamento Online Seguro e Baixa Automática;
  8. Portal de Governança e Ouvidoria;
  9. Controle de Dopagem e Justiça Desportiva;
  10. Processos Otimizados, Auditados e Seguros, com Backups.

Onde encontrar um Sistema de Gestão Esportiva?

Antes de tentar encontrar um sistema de gestão esportiva, é preciso compreender se ele irá atender às expectativas. Os principais requisitos de uma plataforma de gerenciamento esportivo são segurança, adaptabilidade, responsividade e usabilidade. Ou seja, os dados precisam estar seguros, o sistema deve ser adaptado à sua realidade, tem que ser acessível de qualquer lugar e é necessário que tenha uma interface simples e intuitiva.

Outro aspecto relevante é dispor de um excelente time de suporte para poder auxiliar na utilização, principalmente no começo do processo. A equipe de suporte da empresa desenvolvedora, juntamente com a documentação do sistema (como manuais e videoaulas) serão cruciais no início. O sistema precisa passar por constante evolução, com manutenção e melhorias. Dessa forma, ele estará sempre atualizado com as mais novas tecnologias do mercado, buscando melhorar a experiência do usuário.

Sistemas de Gestão em geral costumam ter uma alta complexidade estrutural. Existe um robusto trabalho de codificação para que o gestor esportivo tenha cada vez mais facilidade para usar o software. Em alguns momentos, por apresentarem um certo grau de complexidade, os sistemas podem apresentar inconsistências. Entretanto, se os aspectos citados anteriormente estiverem presentes, serão sanadas rapidamente, obtendo-se constante evolução e melhoria na sua inteligência. No mercado nacional, vocês irão deparar com diversas opções de sistemas de gestão esportiva. Opte pela utilização de um sistema que não seja obsoleto e que encaixe com a sua realidade de gestão no esporte, seja atual ou de um futuro próximo projetado.

O Sistema de Gestão Esportiva da Bigmidia – Plataforma SGE

A Bigmidia é uma empresa de Tecnologia da Informação e Desenvolvimento de Software que já está no mercado há mais de 11 anos. Desde a sua concepção, todos os seus esforços institucionais foram direcionados ao desenvolvimento de soluções tecnológicas capazes de otimizar e inovar processos gerenciais inerentes ao esporte. Provemos soluções de sistema com excelência para a comunidade esportiva. Nossa missão é utilizar a inovação tecnológica para possibilitar crescimento através da otimização de processos. Para isso, desenvolvemos nossa principal ferramenta, o sistema de gestão esportiva (SGE).

Englobando os principais aspectos inerentes à gestão do esporte, o SGE apresenta soluções operacionais a todos os stakeholders da comunidade esportiva, com ferramentas simples, práticas e dinâmicas, potencializando os processos das entidades de administração esportiva. O SGE engloba uma série de ferramentas que poupam tempo precioso, otimizando e automatizando diversos processos e possibilitando que a atenção seja voltada ao que de fato interessa: O Esporte! Temos como clientes algumas das maiores entidades esportivas da América Latina, como as confederações brasileiras de Desportos Aquáticos, Canoagem, Handebol, Taekwondo, Ginástica e a Confederação Pan-Americana de Canoagem. Conheça um pouco mais da ferramenta, apreciando a apresentação abaixo.